20/01/2018

COMO A MARVEL SE TORNOU A MAIOR INDÚSTRIA DE QUADRINHOS DE SUPER-HERÓIS

 
Os quadrinhos da Marvel foram publicados por diferentes editoras no Brasil: Ebal, Bloch, Rio Gráfica/Globo e Abril. Atualmente, chegam às bancas de jornais com o selo Panini.
Mas como surgiu a Marvel? É sobre isso que vamos falar hoje.
A Marvel Comics surgiu nos Estados Unidos em 1939 como Timely Comics. A marca Marvel propriamente dita só veio a aparecer durante os anos 60. O detalhe é que, ao contrário do que muitos pensam, o fundador da Timely não foi Stan Lee, mas Martin Goodman. Lançada em 1939, a primeira revista chamava-se Marvel Mistery Comics, com o super-herói Tocha Humana. Vale lembrar que o Tocha Humana – que, acredite se quiser, não é o mesmo do Quarteto Fantástico – surgiu praticamente ao mesmo tempo que Namor, o príncipe submarino.
O mercado de quadrinhos passou por uma séria crise durante a década de 1950, obrigando Goodman a publicar títulos variados. As revistas saiam da gráfica com o selo Atlas. Mas as coisas começaram a mudar quando a DC Comics ressuscitou com sucesso o gênero super-herói. Além de adotar o nome Marvel, a editora de Goodman começou a publicar personagens criados pelos empregados Jack Kirby, Steve Ditko e Stan Lee. Foi assim que surgiram o Homem-Aranha e o Quarteto Fantástico.
Stan Lee transformou-se no principal roteirista e editor da empresa, tornando-se responsável – normalmente em parceria com um ilustrador, cabe aqui frisar – pelo surgimento de super-heróis como Incrível Hulk, Homem-de-Ferro, Thor, Demolidor, Pantera Negra, X-Men, Homem-Formiga, Doutor Estranho e outros.
Podemos dizer que Lee foi responsável por uma verdadeira revolução na Marvel, tornando os super-heróis mais humanos. Eles ficavam doentes, preocupavam-se em pagar as contas e ainda por cima viviam dramas amorosos incomuns até então para sujeitos como Super-Homem, o maior herói da rival DC.
Martin Goodman faleceu em 1992 aos 84 anos. Antes disso, a empresa passou por várias mãos. Atualmente, pertence ao grupo Disney, o maior conglomerado de entretenimento do mundo.
Um dos períodos de maior crescimento foi a década de 1980, quando a Marvel lançou diversos super-heróis. Chegou a publicar história de Kull, Ka-zar e Conan, o Bárbaro. Personagens como Rom, Nova, Cavaleiro da Lua e Tropa Alfa fizeram sucesso entre os fãs de quadrinhos.
Atualmente, ela não apenas domina o mercado de quadrinhos de super-heróis como leva milhares de pessoas aos cinemas para assistir filmes com Homem-Aranha e outros personagens. Sob a batuta da Disney, novos filmes ainda deverão ser lançados nos próximos anos.
Stan Lee provavelmente chegará aos 100 anos de idade vendo os seus super-heróis fazendo ainda mais sucesso nas bancas e no cinema. Vida longa para a Marvel.
Uma curiosidade interessante: a Marvel já publicou revistas da Poderosa Isis, Transformers, Doctor Who, Frankenstein, Planeta dos Macacos e até do grupo de rock Kiss.

19/01/2018

COMO A VARIG SE TORNOU A MAIOR EMPRESA DE AVIAÇÃO COMERCIAL BRASILEIRA

 
A Varig, ou Viação Aérea Rio-Grandense, foi criada em 1927 na cidade de Porto Alegre pelo imigrante alemão Otto Ernst Meyer. O primeiro funcionário da nova empresa foi Rubem Berta, que se tornou presidente em 1941, permanecendo no cargo até sua morte, em 1966.
A Varig foi a primeira grande companhia aérea brasileira. Começou com um pequeno hidroavião com capacidade para nove passageiros. O primeiro avião com trem de pouso só foi adquirido cinco anos depois da sua fundação. Mas como não parava de crescer, a companhia logo inauguraria a sua primeira ponte aérea internacional, fazendo a rota Porto Alegre-Montevidéu em 1942.
A maior expansão da empresa ocorreu após a Segunda Guerra Mundial. Já na década de 50 era conhecida como a maior empresa aérea brasileira e, nos anos posteriores, como uma das maiores do mundo. Passou a ligar as grandes capitais brasileiras a cidades importantes da América, Europa, África e Ásia.
Ao longo dos anos, a Varig não apenas continuou crescendo como adquirindo outras empresas do setor. Em 1975, adquiriu o controle acionário da Cruzeiro do Sul, passando durante algum tempo a se chamar Varig-Cruzeiro.
Entre os aviões considerados “clássicos” operados pela companhia, vale lembrar dos Electra II, que faziam a ponte aérea Rio-São Paulo. Outra aeronave inesquecível foi o Boeing 747, que operava linhas como São Paulo-Paris.
A Varig continuou dominando os céus do Brasil durante um tempo bastante longo, apesar de possuir concorrentes poderosos, como Transbrasil e Vasp.
A decadência da empresa começou ainda nos anos 1990, se acentuando durante a década de 2000. Com dívidas de mais de 7 bilhões de reais, o sufoco financeiro se tornava cada vez maior. Vale lembrar que a Varig passou a concorrer com duas empresas agressivas na disputa pelo mercado: Tam (atual Latam) e Gol.
O último voo comercial operado pela Varig ocorreu em novembro de 2009. Em 2010, foi decretada a sua falência. A marca foi adquirida pelo Gol, que operou aeronaves sob a bandeira Nova Varig.

17/01/2018

UM DISCO COM TODA A IRREVERÊNCIA E A GRAÇA DOS MAMONAS ASSASSINAS

 
A morte dos integrantes do grupo Mamonas Assassinas, em março de 1996, deixou o Brasil inteiro em estado de choque. Ninguém esperava que a carreira daqueles garotos de Guarulhos, na Grande São Paulo, seria interrompida de maneira tão inesperada. Dinho, Bento Hinoto, Júlio Rasec, Samuel Reoli e Sérgio Reoli falaceram num acidente na Serra da Cantareira, quando voltavam de um show em Brasília.
Os Mamonas Assassinas varreram o Brasil de norte a sul com seus espetáculos cômicos e músicas irônicas. Era impossível encontrar alguém que não gostasse do grupo. Ele possuía fãs em todas as faixas etárias.
Os Mamonas Assassinas gravaram apenas um disco em vida (detalhe: eles gravaram outro trabalho, mas como banda Utopia). Chamado apenas de Mamonas Assassinas, o álbum vendeu 3 milhões de cópias. Foi provavelmente um dos discos mais vendidos da história do rock brasileiro.
Rock? A bem dizer, o Mamonas gravava rock com um pouco de forró, pagode, música sertaneja e outros estilos. Era uma “mistureba” um tanto exótica, mas que agradou em cheio o público.
Mamonas Assassinas é mais do que um disco essencial. É um disco é um disco imprescindível para quem gosta de música irreverente e, obviamente, gostaria de conhecer a história da banda.
Entre as músicas do álbum, quatro fizeram sucesso estrondoso: O Vira, Pelados em Santos, Robocop Gay e Sabão Crá-Crá. Vale lembrar que O Vira e Pelados em Santos estiveram entre as músicas mais tocadas nas rádios em 1996.
Pelados em Santos transformou-se num dos clipes mais ouvidos daquele período. O trecho “Mina, seu cabelo é da hora/Seu corpo um violão” era cantado por pessoas dos 8 aos 80 anos de idade.
Interessante é que os Mamonas fizeram sucesso num momento em que o som da moda era o pagode. Grupos de pagode como Negritude Jr. e Só Pra Contrariar dominavam as paradas de sucesso.
Mesmo após a morte dos rapazes, a mania Mamonas Assassinas não terminou. Revistas, pôsteres, documentários e até peças de teatro sobre o grupo foram produzidas. E podem ter certeza de que daqui a 10 anos ou 20 anos haverá alguém caindo na gargalhada com as suas músicas.

16/01/2018

GHOST - DO OUTRO LADO DA VIDA, O ROMANCE ESPÍRITA QUE ARREBATOU O MUNDO

 
O auge da carreira da atriz e cantora Whoopi Goldberg ocorreu entre 1985 e 1995, quando estrelou filmes como A Cor Púrpura, Mudança de Hábito e Ghost – Do Outro Lado da Vida. Vamos falar sobre esse último.
Ghost – Do Outro Lado da Vida não só revelou ao mundo a veia cômica de Whoopi, como a levou a ganhar o Oscar de melhor atriz coadjuvante. Por sinal, Ghost foi um dos filmes de maior sucesso do ano de 1990.
Com Demi Moore, Patrick Swayze e a própria Whoopi no elendo, Ghost atraiu milhões de pessoas graças a uma história romântica, vamos assim dizer, “de outro mundo”.
Dirigido por Jerry Zucker, Ghost é um romance com pitadas de suspense e comédia (claro que essa parte ficou como Whoopi). Conta a história do bancário Sam Wheat (Patrick Swayze) e sua noiva, a ceramista Molly Jensen (Demi Moore). Sam é assassinado durante um assalto e, como espírito, continua vagando pelo mundo. O detalhe é que pouco antes de morrer, ele descobre uma sucessão de desfalques no banco onde trabalhava. Como fantasma, Sam consegue contatar uma esotérica charlatã, Oda Mae Brown (Whoopi Goldberg). Consciente de que o autor dos desfalques no banco era seu melhor amigo, ele convence Oda a avisar Molly do perigo que podia estar correndo. De início, Molly não acredita em Odda, mas esta consegue provar que está em contato com o espírito de Sam. Com o decorrer do tempo, Sam amplia os seus poderes como fantasma e consegue salvar ambas das ameaças de seu ex-amigo, que tenta a todo custo descobrir se o dinheiro desfalcado no banco foi parar nas mãos de Sam quando ele era vivo.
Ghost foi o filme de maior bilheteria de 1990. Com um orçamento de US$ 21 milhões, conseguiu arrecadar mais de US$ 500 milhões. Inspirou a criação de um musical para os palcos em 2011, com grande sucesso de público.
A trilha sonora foi também um grande êxito de vendas, sobretudo em virtude da música Unchaneid Melody, do grupo Righteous Brothers. Apesar de ser uma canção antiga, ela esteve entre as mais ouvidas no Brasil em 1990. Unchained chegou a ser incluída na trilha sonora de uma novela da Globo no ano seguinte.
Vale lembrar da cena da cerâmica, em que Swayze e Moore tentam fazer um pote junto, considerada por muitos uma das mais antológicas dos últimos tempos.
Ghost bateu recordes de audiência quando foi exibida pela primeira vez na televisão brasileira, superando a novela das nove. Tornou também um dos filmes mais reprisados na Sessão da Tarde.

15/01/2018

AS INCRÍVEIS HABILIDADES DO AGENTE MacGYVER EM PROFISSÃO: PERIGO

 
Durante uma reportagem de TV sobre nomes estranhos, o jornalista citou um garoto – talvez do interior do Mato Grosso do Sul – chamado Magaiver. Foi um dos nomes mais curiosos, embora todos soubessem bem a sua origem.
O nome do pequeno Magaiver foi inspirado no agente secreto Angus MacGyver, do seriado Profissão: Perigo.
Interpretado pelo ator Richard Dean Anderson, MacGyver era um veterano da Guerra do Vietnã que, além de expert em desarmar bombas, tinha um conhecimento fora do comum em ciências física. Além da habilidade em tornar práticos os seus conhecimento, ele era capaz de utilizar as mais incomuns matérias-primas para resolver problemas aparentemente difíceis (como escapar de um cativeiro, por exemplo).
MacGyver trabalhava para duas empresas fictícias: a Fundação Phoenix e o Departamento Governamental de Serviços Externos (DSX). Desempenhava funções de investigador, agente secreto e policial quase em tempo integral, conseguindo resolver os mais intrincados casos.
Profissão: Perigo estreou na TV norte-americana em setembro de 1985. Saiu do ar em 1992, depois de sete temporadas e 139 episódios. Embora não fosse uma das séries mais populares da época, conseguiu angariar milhões de fãs ao redor. Transformou o Richard Dean Anderson numa celebridade internacional.
Além da série original, foram exibidos dois longas com o personagem durante os anos 1990.
No Brasil, a série foi exibida pela Rede Globo. O interessante é que, ao invés de apresentar a abertura, a emissora exibia apenas uma chamada anunciando que ela estava entrando no ar. A música tema era Tom Sawyer, do grupo canadense de rock pesado Rush.
Chamava a atenção dos fãs a habilidade de MacGyver em resolver as coisas. Num dos episódios, por exemplo, ele consertou um radiador furado de um carro com clara de ovos. Em outro, foi capaz de selar um vazamento químico com uma barra de chocolate.
O impacto cultura da série é sentido até os dias atuais. Existem referências sobre ela em inúmeros filmes, desenhos e programas de TV. Ela foi citada em Saturday Night Live, Agents os S.H.I.E.L.D e Os Simpsons, por exemplo.
Recentemente, a série foi reprisada no Brasil pelos canais TCM e Rede Brasil de Televisão.
Uma última curiosidade: o nome original da série é MacGyver.

14/01/2018

CLUBE DA CRIANÇA, O PROGRAMA QUE REVELOU XUXA COMO CANTORA E APRESENTADORA


O primeiro programa infantil da Rede Manchete de Televisão, inaugurada em 1983, foi o Clube da Criança. E sobre esse programa existem inúmeras curiosidades, que nós fizemos questão de compartilhar aqui no Modas e Manias.
A primeira curiosidade diz respeito, obviamente, a Xuxa Meneghel. Conhecida até então como modelo (e namorada de Pelé), ela era presença constante nas capas da revista Manchete. Foi no Clube da Criança que Xuxa iniciou a carreira de apresentadora.
Xuxa permaneceu no Clube da Criança até 1986, quando migrou para a Rede Globo. O programa passou algum tempo fora do ar, até voltar com outra apresentadora: Angélica. O detalhe é que Angélica tinha apenas 13 anos na época. Até então, ela era conhecida como modelo infantil e atriz.
Antes de sair definitivamente do ar, o programa teve outras apresentadoras entre as quais a atriz Milla Christie e a modelo infantil Debby.
O Clube da Criança ajudou a revelar diversos talentos da música brasileira, incluindo a cantora Patrícia Marx. Com o sucesso do primeiro disco do programa – que contou com a participação de diversos artistas, cabe aqui frisar –, Patrícia uniu-se a Luciano Nassyn e Juniho Bill no grupo infantil Trem da Alegria.
Temos que lembrar que o Clube da Criança ajudou bastante a alavancar as carreiras musicais de Xuxa e Angélica. Foi participando no primeiro disco do programa que Xuxa se tornou conhecida como cantora. Angélica fez sucesso com músicas como Vou de Táxi, uma das mais tocadas nas rádios em 1989.
O cenário do Clube da Criança era totalmente colorido, com alguns brinquedos de playground. Crianças de todos os tamanhos apareciam em cena. Era patrocinado por empresas como Estrelas, Coca-Cola e Nestlé.
Além de desenhos – principalmente de Hanna-Barbera, que ainda eram muito populares entre as crianças –, o programa exibia diversas séries de super-heróis japoneses, como Jaspion e Changeman.
O desenho de maior sucesso foi Cavaleiros do Zodíaco, que se tornou uma verdadeira febre entre a garotada dos anos 90. Isso inspirou a Manchete a importar os animês Sailor Moon e Yu-Yu-Hakusho. Os Cavaleiros do Zodíaco só seriam superados em popularidade por um desenho exibido pouco tempo depois pela Record – e que, por sinal, faz sucesso até hoje: Pokemon.
O Clube da Criança saiu definitivamente do ar em 1998, com a crise na Rede Manchete. A emissora, por sua vez, deu seu último suspiro em maio de 1999.

Imagem acima: primeiro disco do Clube da Criança, com a participação de Xuxa, Carequinha, Sérgio Mallandro, Pelé, Roupa Nova, Patrícia (futura Marx) e outros artistas.